Qual é o melhor método? Essa pergunta tem sido feita a nós, cirurgiões, por nossos clientes na hora de escolher o melhor método a ser usado em suas cirurgias de varizes.

Atualmente, existem, de forma bem estabelecida, quatro métodos: o clássico, que é a retirada das veias doentes; o laser, que usa fibra ótica para as destruir através do calor; a radiofrequência, diferente do laser, mas também usa o calor para a destruição das veias; e espuma densa, no qual a veia também é destruída por um processo obstrutivo/inflamatório.

Para trazer uma luz a essa pergunta que nós, cirurgiões vasculares, também nos fazemos e separar o que é propaganda da realidade, a Faculdade de Medicina da USP fez um estudo abrangendo 14 anos de trabalhos internacionais publicados sobre o assunto. Este trabalho foi apresentado no Encontro Paulista de Cirurgia Vascular, realizado em março de 2014.

A análise objetivou o sucesso da cura e as complicações advindas dos métodos empregados. A cura é fácil de entender, pois é o esperado. Porém, as complicações fazem parte de qualquer processo traumático, o que é o caso das quatro técnicas analisadas.

O resultado foi surpreendente, pois a análise estatística não trouxe nenhuma diferença entre os quatro métodos utilizados! Todos os estudos que foram incluídos mostraram bons resultados na cura e baixos índices de complicações, independente do método utilizado. Portanto, a conversa com o cirurgião e o que ele está mais habituado a fazer é a escolha que deve ser feita.

Os modernismos baseados em pesquisas são importantes, por trazerem novas possibilidades para o tratamento das doenças que nos assolam. Porém, uma análise comparativa de resultados de longo prazo necessita ser feita para evitar exageros em qualquer direção.